Saiba como enfrentar a síndrome do ninho vazio

0
272

Um dos momentos mais difíceis na vida dos pais é quando os filhos crescem e saem de casa, seja porque vão estudar em uma universidade bem afastada, trabalhar em outro local, seja até mesmo quando se casam. O sentimento de angústia começa a tomar conta mesmo antes de isso ocorrer, e quando finalmente chega a hora, bate uma tremenda solidão, conhecida pelo nome de síndrome do ninho vazio – que, em alguns casos, pode caminhar para uma depressão, mesmo quando esses pais têm uma boa estrutura e levam uma vida ativa.

É importante ter em mente que esse é um momento difícil e que é normal sentir-se triste durante alguns meses, porém, seguindo alguns passos, essa transição pode ser menos dolorida.

O primeiro passo é prepará-los para que você mesmo possa se sentir mais seguro. Com antecedência, ensine-os a enfrentar a rotina do dia a dia, como pagar contas, fazer compras, administrar dinheiro, manter a casa ou dormitório, como se deslocar, etc. Quanto mais independentes eles se tornarem antes de partirem, será melhor tanto para eles quanto para você.

O segundo passo é entender que você não está perdendo o filho, apenas haverá uma mudança na forma de convivência com ele. Se estiver se mudando para um local muito longe de sua casa, imagine como serão prazerosos os encontros em datas especiais, férias, etc. Além disso, com a internet, será possível vocês se “verem” até diariamente, se for necessário, o que ajudará muito, especialmente no começo.

O terceiro passo é evitar os pensamentos ruins. O ato de se preocupar com a segurança e bem-estar deles é válido, mas não faça disso uma obsessão, imaginando inúmeros perigos, tragédias, pois quem acabará doente é você. Oriente-os e acompanhe-os, sim, mas sem neuras.

O quarto passo só será possível se você tiver passado pelos três primeiros. Trata-se de estar pronto para demonstrar segurança a eles. Sim, os filhos também podem apresentar muito receio do que virá, e para isso, além de tê-los preparado, é importante demonstrar que confia neles e que poderão contar com os pais sempre que precisarem. Esse apoio fará com que eles se sintam mais seguros.

O quinto passo é arrumar formas de se distrair. Independentemente de ainda trabalhar ou não, procure aumentar seu leque de opções para se divertir. Adquira novos hobbies, saia com amigos, descubra novos lugares, enfim, ocupe sua cabeça para que os momentos de solidão possam ser cada vez menores. Aprenda a cuidar de você!

Buscando ajuda
Para algumas pessoas, a síndrome do ninho vazio pode durar muito tempo, e mesmo tentando seguir em frente, a tristeza é tão grande que pode desencadear depressão profunda. Se, após alguns meses da saída do filho, você sentir que não está conseguindo se recuperar, se se pega chorando com facilidade e não vê mais graça em nada, é importante buscar ajuda com um psicólogo ou psiquiatra. Não veja como um sinal de fraqueza. Muitos passam por isso, mas, com ajuda especializada, é possível melhorar rapidamente.

Revista Facebrasil – Edição 76 – 2017