Nomad: o essencial é invisível aos olhos – na revista Facebrasil 55

0
35

ARTISTA AMERICANA LEGALMENTE CEGA CONSTRÓI COM AS PRÓPRIAS MÃOS UMA CASA SOBRE RODAS E SONHA EM GANHAR O MUNDO.

“Muito antes de cruzarmos as fronteiras como migrantes, imigrantes, escravos ou refugiados, éramos nômades. Vivíamos a vida de passagem, como fazem os pássaros, mudando a direção segundo manda a mãe Terra e suas quatro estações. Cruzamos barreiras inimagináveis em busca de um lugar para um descanso prolongado, mas sempre soubemos, em nosso íntimo, que a Terra é o nosso lar.”

Assim começa o manifesto escrito (e vivido) pela artista afro-americana Dominique Moody, de 58 anos, que fez da mudança parte de sua obra. “Já troquei de endereço 45 vezes, a maioria delas por querer, e isso gerou em mim uma enorme sensação de liberdade”, explica.

Entres idas e vindas, Dominique passou a se reconhecer e se encontrar apenas nas mudanças, então decidiu fazer sua morada na própria estrada. O sonho começou há 25 anos, o planejamento há sete, e a construção, há três. Agora finalmente podemos ver o resultado: “Nomad” é uma pequena casa sobre rodas, toda feita a partir de materiais descartados e recicláveis e integralmente construída pela artista.

Desde que abriu as portas de seu lar ao público, Dominique tem chamado muita atenção, sobretudo porque é deficiente visual. A pouca visão periférica que lhe resta é útil aqui e acolá, mas perante o Estado e a sociedade, a artista é legalmente cega.

Quando a encontrei, numa tarde de domingo, Dominique estava nitidamente exausta. Com o corpo franzino repousando em sua cadeira, explicava que havia quatro dias consecutivos vinha dando entrevistas e conversando com o público em geral por cerca de 12 horas diárias, levando suas cordas vocais a um colapso.

Num último esforço de me contar mais sobre o projeto, a americana sussurra suas experiências na área de design de interiores, mas se mostra surpresa com tamanha comoção: “Já fui convidada a expor o projeto ‘Nomad’ nas Bahamas e no Havaí”, revela, no derradeiro fôlego do dia.

Mesmo sem voz, Dominique abre os braços a quem queira entrar, na esperança de contagiar e dar asas a mais alguém, para que, livres, possam voar segundo seus próprios anseios.