Elvis morreu? A teoria da conspiração que dura 40 anos – na revista Facebrasil 77

0
227

Elvis morreu? A teoria da conspiração que dura 40 anos

Existem várias teorias da conspiração envolvendo famosos e governantes que pululam pelas redes sociais. Entretanto, o boato mais repetido pelo mundo surgiu bem antes da internet e segue firme e forte até hoje. Trata-se da morte, ou melhor, da “não-morte” de Elvis Presley. Para muitos, o Rei do Rock está vivo e passou as últimas quatro décadas escondido. Apesar de absurda, muita gente acredita e outros faturam em cima dessa “estória”.

Para entender esse fenômeno, precisamos voltar alguns anos antes de sua morte. Entre 1972 e 1973, ocorreu o divórcio de Elvis Presley e Priscila. Apesar de mulherengo, a separação foi um duro golpe na vida do Rei, que engordou e passou a tomar medicamentos para a depressão em doses muito acima das receitadas. Resultado: teve sérios comprometimentos no fígado e no coração.

Na noite anterior à sua morte, Elvis ficou tocando piano e só foi se deitar às 5h. Acordou por volta das 10h para ir ao banheiro, onde passou mal, e só foi encontrado quatro horas depois por sua então namorada, Ginger Alden. O cantor foi levado às pressas a um hospital, mas, apesar dos esforços, o óbito foi constatado oficialmente às 15h30.

A notícia chocou o mundo. Elvis tinha apenas 42 anos e deixou milhões de fãs arrasados. Mas logo a teoria de que ele teria forjado a própria morte começou a render várias versões que depois resultariam em matérias na grande imprensa, livros, relatos, etc.

As provas mais criativas surgidas para explicar por que Elvis não morreu são:

Um ano após a morte do Rei, um fã fez fotos da mansão Graceland, e aumentando a imagem, em uma das fotos, nota-se alguém muito parecido com Elvis perto de uma janela.

Um equívoco na certidão de óbito afirma que o corpo pesava 75 kg, bem menos do que o peso do cantor na época. A teoria da conspiração afirma que era um boneco de cera que estava dentro do caixão, e o próprio primo de Elvis estranhou como ele estava mais magro e aparentando estar mais novo.

A pedido do pai, o documento oficial da autópsia de Elvis ficará em sigilo até 2027. Os adeptos da versão de que ele está vivo apostam que será revelado que não era de fato o cantor que morreu. Os mais sensatos acreditam que a família possa apenas ter evitado que se noticiasse que ele tinha usado drogas na véspera de sua morte.

Dois meses após o sepultamento de Elvis, em um cemitério em Memphis, a família decidiu transferi-lo para um túmulo em Graceland. Para os defensores de que o cantor não morreu, os familiares ficaram receosos de que, diante de tantos boatos, a Justiça pudesse averiguar se era mesmo o corpo do Rei, e decidiram sumir com qualquer vestígio da farsa.

Nas últimas décadas, várias cartas, autógrafos, telefonemas e até livros teriam sido feitos pelo próprio Elvis para se comunicar com Priscila, ex-namoradas e fãs. Neles o rei contaria como está e por que decidiu simular a morte. Em alguns autógrafos, peritos reconhecem a autenticidade ou semelhança, mas afirmam ser impossível afirmar quando foram feitos.

Fato concreto mesmo é que Elvis Presley segue vivo, mas em suas canções e na memória de milhões de fãs de todas as faixas etárias.