Eleições 2018: a repercussão na imprensa internacional

0
336

O resultado das eleições presidenciais do Brasil foi destaque no noticiário internacional.  

O site do jornal americano “New York Times” publicou uma foto de Jair Bolsonaro, dizendo o seguinte sobre o candidato do PSL: “Um candidato de extrema-direita que falou com carinho da antiga ditadura militar do Brasil chegou perto de uma vitória nas eleições presidenciais no domingo, enquanto os brasileiros expressaram repulsa à política e endossaram uma abordagem irônica para combater o crime e a corrupção”.

O jornal britânico “The Guardian” também publicou na primeira página uma foto do candidato Jair Bolsonaro dizendo “um ex-capitão do Exército, garantiu quase 50 milhões de votos no primeiro turno da eleição presidencial no domingo – cerca de 46% do total e pouco menos que a maioria absoluta necessária para reivindicar a vitória”.

Na reportagem do jornal espanhol “El País” foi dito que “apenas uma reviravolta radical, no 28 de outubro impedirá que a extrema-direita governe a partir de 1 de janeiro”.

O francês “Le Monde” afirmou que o Brasil nunca esteve tão dividido em uma eleição e atribuiu a liderança de Jair Bolsonaro à “sua postura dura em relação à insegurança e porque sua carreira é livre de corrupção, enquanto o PT está envolvido em um dos maiores escândalos de corrupção descobertos na história do país”.
O jornal italiano “Corriere Della Sera” disse que Jair Bolsonaro está a um passo da vitória e que ele conquistou a maioria dos eleitores brasileiros com “uma nova política baseada nos algoritmos das redes sociais.”

Lembrando que Bolsonaro teve mais de 46% dos votos válidos e vai enfrentar no segundo turno no dia 28 de outubro, o candidato do PT Fernando Haddad que teve 29% dos votos.

Resultado colocado sob suspeita pelo candidato do PSL. Em pronunciamento pela internet logo depois da definição do segundo turno, Jair Bolsonaro disse suspeitar que só não foi eleito no primeiro turno das eleições, neste domingo (07), por conta de fraudes nas urnas eletrônicas. Ele disse que não vai questionar esse resultado, mas que vai exigir do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) soluções para as várias reclamações que recebeu dos eleitores sobre o funcionamento das urnas.

Dois grandes fatos marcaram as eleições este ano. O primeiro deles foi a rejeição do registro de candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso, obrigando o PT a substituí-lo por Fernando Haddad. O segundo foi o ataque a Jair Bolsonaro, que levou uma facada durante a campanha em Juiz de Fora, Minas Gerais.

A campanha eleitoral 2018 começou com 13 candidatos à Presidência da República – o maior número de concorrentes desde 1989, quando concorreram 22 candidatos. Dois grandes fatos marcaram as eleições 2018.