Depressão entre adolescentes – o mal do século

0
122

A dor da alma

A depressão não é “frescura” ou “drama”, mas sim, um transtorno mental sério que precisa de muita atenção e cuidados para que nada de ruim aconteça. Tanto é que as autoridades em saúde se preocupam com o crescimento no número de casos. Atualmente, 400 milhões de pessoas convivem com o distúrbio em todo o planeta.

Pelos dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), a depressão é o principal problema de saúde dos adolescentes e o suicídio é a segunda causa de morte entre eles. A maioria dos jovens que comete o suicídio já apresentava sinais de depressão, mas que acabaram não sendo notados.

Como identificar os sinais de alerta

Os pais e pessoas próximas devem prestar atenção no humor do adolescente. Nessa fase não é normal estar sempre triste ou agressivo por um longo período. E se isso for detectado,  é preciso se aproximar com muito jeito para tentar entender esse comportamento.

Outros sintomas que podem identificar um adolescente depressivo são: cansaço, diminuição no interesse por coisas que antes gostava de fazer, ganho ou perda de peso de forma brusca, insônia ou excesso de sono, apatia ou agitação fora do normal, dificuldade de concentração e ideias suicidas.

Os especialistas contam que alguns garotos costumam ficar agressivos, brigam com frequência na escola e em casa. Já as meninas, demonstram estar entediadas com tudo, tem baixa autoestima e choram bastante.

Muitos jovens deprimidos ou que chegaram ao ponto de se tornarem suicidas, diziam frases como: “Estou cansado de tudo”, “Vou desaparecer”, “A vida não tem graça”, “Vocês ficarão livres de mim”, e geralmente essas pistas claras, são ignoradas. As pessoas próximas jamais devem deixar isso passar. É preciso se aproximar do adolescente e apoiá-lo, sem críticas. Além de tentar conversar para saber por que ele está dizendo isso.

A importância de estar presente na vida do adolescente

A correria do dia a dia, muitas vezes, acaba dificultando uma observação mais efetiva dos pais ou guardiões do adolescente. Alguns pais se importam apenas se os filhos foram à escola, se comeram, se estão seguros, mas não param para observar o comportamento deles. Saber mais sobre o que filhos estão aprendendo, fazendo, vendo, pensando é extremamente importante.  

O papel da escola

Especialistas defendem que todas as escolas deveriam oferecer palestras aos estudantes sobre a depressão, visando desmistificar o assunto e mostrar o quanto é importante conversar com alguém sobre seus sentimentos. Além disso, esses profissionais qualificados poderiam orientar os educadores para identificarem, com mais facilidade, adolescentes que possam estar deprimidos.

Tratamento

O adolescente precisa receber total apoio. Ele deve ser avaliado por um psicólogo e um médico psiquiatra. Cada caso precisa ser avaliado individualmente e os profissionais habilitados vão dizer sobre a necessidade de  medicação e de terapia. O acompanhamento deve ser constante. Geralmente medicação é necessária, pois ela regula o funcionamento do cérebro, uma vez que a depressão faz com que os neurotransmissores não funcionem de maneira correta, atrapalhando a transmissão de estímulos.