Com amor e dedicação, mãe enfrenta preconceito e supera obstáculos por filho com deficiência

0
297

A maioridade chegou junto com a maternidade: aos 18 anos, Antônia Yamashita descobriu-se grávida de seu namorado, Fábio. Juntos, tiveram Lucas, que veio ao mundo cedo demais, com apenas 28 semanas e 880 gramas.

A gestação naturalmente abreviada teve seu preço, e o bebê sofreu com anoxia, hemorragia cerebral grau IV, hidrocefalia e meningite bacteriana.

Lucas passou os primeiros três meses de vida na UTI neonatal e, contrariando todos os prognósticos, venceu a morte – mas não saiu ileso: teve paralisia cerebral.

Os cinco primeiros anos do menino, e toda a luta de Antônia em prol do filho, estão relatados no livro “A trajetória de uma mãe especial – o milagre da vida”, publicado pela editora Nilobook.

Narrado em primeira pessoa, a obra traz o relato sincero de uma jovem mãe disposta a enfrentar tudo e todos para proteger o filho.

A honestidade e naturalidade com que conta a história têm ajudado muitas pessoas que se encontram em situações iguais ou semelhantes. “Muitos pais se identificaram com a obra, que, de certa forma, fala da realidade deles também”, diz a autora, pedagoga por formação.

Este livro é o primeiro da trilogia que narra a trajetória de Lucas e sua família em uma jornada de desafios e aprendizagens.

Lucas continua sendo motivo de orgulho e inspiração para a mãe, o pai, Fabio Yamashita, e até para o irmão, Victor.

Na página “Mãe Especial”, a família compartilha informações e experiências com educadores, interações com a sociedade e os desafios da inclusão de crianças com deficiências.

“No Brasil há cerca de 45 milhões de pessoas com deficiência, mais ou menos 24% da população, ou seja, quase um quarto dos brasileiros. No entanto, quando Lucas foi diagnosticado, reparei que via poucas pessoas em cadeiras de rodas nas ruas, e as famílias que conhecia tratavam o assunto como um verdadeiro tabu.

Quando saíamos, nos observavam como se fôssemos de outro planeta.

Parte desse ‘preconceito’ talvez tenha a ver com o mito de que a pessoa com deficiência é incapaz, improdutiva e condenada à infelicidade.

Cheguei à conclusão de que a única maneira de combater essa mentalidade é contando a verdade de alguém que vive na pele essa situação – e foi assim que decidi expor nossa realidade, para que meu filho deixasse de ser tabu e pudesse desfrutar a vida como qualquer outra pessoa”, reforça Antônia.

Embora tenha muitos traços do pai, Lucas herdou a força da mãe e, como ela, foi muito além do que se poderia imaginar. Atualmente a família vive em Orlando e se mostra bastante otimista com as novas possibilidades que despontam no horizonte.

Para saber mais sobre a história de vida de Antônia e sobre os desafios e alegrias diárias de Lucas, acesse https://www.facebook.com/maeespecial e www.maeespecial.com.br

Revista Facebrasil – Edição 53 – 2015
A revista mais lida pelos brasileiros na Flórida