A influência do carnaval italiano na dança e na cultura brasileira

0
238

É comum pensarmos no Carnaval como uma festa tipicamente brasileira, já que a folia carnavalesca se instalou no país como um bem cultural.

Mas a verdade é que, originalmente, o Carnaval nasceu na Itália, na famosa cidade de Veneza, que, no contexto da festa, foi palco também das primeiras peças teatrais de Commedia dell´Arte, que eternizaram personagens como o Pierrô, o Arlequim e a Colombina.

A Commedia dell´Arte é um tipo de teatro cômico surgido na segunda metade do século XVI que se opunha ao teatro clássico rígido e formal. Assim, a história do trio enamorado sempre foi um autêntico entretenimento popular, de origem influenciada pelas brincadeiras carnavalescas. Apresentadas nas ruas e praças das cidades italianas, as histórias encenadas ironizavam a vida e os costumes dos poderosos de então, valendo-se muito do humor e da improvisação*.

A história amorosa desses três personagens, bem como sua representação irreverente, também repercutiram na dança, em balés dançados até hoje, como “Harlequinade” (1900) e “Carnaval em Veneza”, também muito conhecido como “Satanella” (1772), cuja Colombina já foi interpretada pela italiana Marie Taglioni, primeira bailarina a utilizar sapatilhas de ponta – aquela que deixa a bailarina na pontinha dos pés.

No Brasil, o Pierrô, o Arlequim e a Colombina aparecem em vários segmentos da cultura popular, como marchinhas de Carnaval, com o “Pierrô Apaixonado” (1935, composição de Noel Rosa e Heitor dos Prazeres), e até no rock nacional, com “Pierrot” (música da banda Los Hermanos lançada em 1999).

Independentemente da sua origem, o Carnaval propaga, até hoje, a sensualidade e a alegria das festas pagãs. É a época da alegria, da música, da dança e das aventuras amorosas dos Pierrôs, Arlequins e Colombinas de ontem, de hoje e de sempre.

Natália Faria é jornalista e bailarina, ambas atividades de formação e coração. Atualmente trabalha com planejamento de conteúdo na agência WH²F.

Revista Facebrasil – Edição 49 – 2015
A revista mais lida pelos brasileiros na Flórida