0
106

Reflexões para 2019!

por Giovanni Alevato

Muito se fala dos influenciadores, que, com seu prestígio pessoal, agregam a determinado produto algum “valor”. No passado, esses influenciadores eram pessoas renomadas. Passou-se então a utilizar-se de artistas, que se limitavam a apresentar produtos em campanhas de marketing, para com seu “prestígio” fazer divulgação de produtos, conferindo a estes um status de qualidade que nem sempre é verdadeiro. Mas esse é o mundo do marketing…. Alguns artistas entraram em enormes “furadas”, e, se fosse nominar todas que recordo, seriam necessárias várias páginas, mas esse não é o escopo deste texto.

E aí chega aquela hora em que você para de ler e se pergunta: o que isso tem a ver com o meio ambiente ou a sustentabilidade? Eu lhe respondo: muito!!!

No mundo globalizado de hoje, tudo se mistura, e na hora em que misturamos o problema do meio ambiente com o marketing, surge um fenômeno chamado “Green Wash”, que é rotular alguma coisa como sustentável, ou “Eco Friendly”, quando na verdade não é, ou até mesmo o uso de um influenciador para, sem nenhum embasamento técnico, dizer coisas que não correspondem absolutamente à verdade.

Na década de 1970, muitas pessoas não acreditavam que o homem tivesse ido à Lua, e, acreditem, ainda existem aqueles que não acreditam ou, pelo menos, duvidam de tal feito. Acontece que agora existe uma grande porção de pessoas que não acreditam no fenômeno do “aquecimento global”. Surpreendentemente, algumas dessas pessoas são influenciadas por pessoas proeminentes que, por algum motivo, e sem nenhum conhecimento técnico e contra todas as evidências, algumas até empíricas, teimam em não acreditar no que salta aos olhos.

Vem aí a nova conferência da ONU para discutir as mudanças climáticas, a COP 25, que seria no Brasil, mas que será relocada. Rezemos para que os dirigentes mundiais deem ouvidos aos técnicos, e não aos bufões, e que todos ratifiquem o Tratado de Paris, ou até mesmo surjam com algo melhor e possível, em vez de vermos artistas fazendo propaganda para a Fazenda do Boi Gordo, ou dizendo que a marca de carne tal é confiável ou até mesmo aquela senhorinha que não toma café dizer que só bebe a tal marca.