0
23

Passada a ressaca da copa do Mundo para nós brasileiros, é triste constatar que mais do que não termos conquistado o hexa, vimos o nosso principal jogador, cotado até a ser o melhor do mundo, virar piada em todos os locais do planeta. Mas, convenhamos, as atitudes dele fizeram por merecer.

Voltando de uma cirurgia bem em cima da Copa, seria aceitável que o jogador não pudesse apresentar seu melhor futebol, mas o que fizeram dele uma grande piada mundial foram suas reações absurdas a cada falta que sofria (esperneando, gritando e fazendo caretas como se estivesse com uma fratura exposta) e sua vaidade incontida que chamaram a atenção de torcedores do mundo todo.

Na primeira partida do Brasil na Copa, Neymar abusou da vaidade ao entrar em campo com um cabelo, digamos…”excêntrico”. O topete loiro, capaz de chamar a atenção a quilômetros de distância, foi alvo de deboche de todos. Mas o pior mesmo foi sua atuação, prendendo demais a bola e pulando alucinadamente a cada falta sofrida.

Alguns podem se questionar, mas qual o problema em estrear um novo penteado? A resposta: às vésperas da estreia de nossa seleção o foco dele deveria ser estudar como vencer os marcadores suíços e não em bolar um novo “visual”. No segundo jogo, Neymar chamou ainda mais a atenção. Simulou faltas, ofendeu seus adversários, e em uma atitude de moleque mimado, gritou para o árbitro “Não me toque” em inglês, quando o juiz tentou acalmá-lo. Um papelão.

Nas oitavas de final, Neymar até jogou bem, mas em um lance em que foi sutilmente pisado, o jogador voltou a dar o seu show e espernear no chão, como se tivessem lhe arrancado a perna fora e sem anestesia. Novamente, jornalistas do mundo todo criticaram. Na Inglaterra, foi chamado de trapaceiro e falso, no México, de péssimo ator, e por aí vai.

Na derrota do Brasil para a Bélgica, Neymar não abusou da paciência alheia com seu showzinho, mas foi incapaz de ser o craque que o Brasil esperava, teve uma atuação péssima e viu seu sonho de ser o craque da Copa virar farelo.

Mas o pior ainda estava por vir. Acostumado a se expor demasiadamente na mídia e nas redes sociais, sempre querendo ostentar a imagem de craque vencedor e descolado, ele viu, talvez incrédulo, que sua imagem virou uma grande piada mundial. No Japão, na Europa, no Brasil, enfim, em todo lugar, vídeos mostrando pessoas se jogando e gemendo no chão assim que ouviam o nome Neymar, se multiplicaram. Sem contar as intermináveis críticas e piadas ao jogador que deixou a Rússia totalmente desacreditado.

Se Neymar voltará a jogar o que em muitos momentos de sua carreira jogou, não sabemos, mas uma coisa é certa, se quiser apagar a péssima imagem que deixou, terá que parar com o vício terrível de espernear a cada falta. Nenhuma ação de marketing conseguirá reverter esse fiasco, só mesmo deixando de ser o “menino” Neymar e passando a atuar como um atleta de verdade, ele poderá se ajudar e, quem sabe, ajudar a seleção brasileira.