0
244

A seleção brasileira foi eliminada de mais uma Copa do Mundo, mas, ao contrário de outras, nas quais o técnico recebia um “caminhão de críticas”, o treinador Tite foi poupado pela imprensa. Erros, certamente, ele cometeu, mas a maneira gentil que tinha de lidar com todos fez com que as falhas passassem despercebidas. Trazendo esse exemplo para o nosso dia a dia, será que muitas vezes não julgamos uma pessoa em vez de suas ações?

Agora, voltando ao exemplo do técnico Tite, antes de ele assumir o cargo, Dunga estava no comando. O ex-jogador tinha a fama de mal-educado e arrogante. Já Tite é o “gente boa” que elogia todo mundo e sabe falar “difícil”. Porém, seu sorriso acolhedor encanta muita gente. Aí vem a pergunta: e se, ao invés de simpático, Tite fosse taxado de grosseiro, como Dunga? Quantas reportagens e quantos programas expondo as falhas e outras atitudes dele seriam produzidos?

Em nosso cotidiano, também podemos cometer erros. Talvez até em nossa casa tenhamos mais paciência com um filho bonzinho, mas que de vez em quando comete erros grandes, do que com um filho travesso quando comete esses mesmos deslizes. E é aí que nos tornamos injustos com os dois lados. A benevolência deve ser estendida a todos, assim como as broncas.

Com nossos amigos, costumamos ser, ainda que sem perceber, mais tolerantes com os erros de uns do que com os de outros. Obviamente que existem aqueles que já nos ajudaram tanto que merecem um desconto, mas pense em colegas de trabalho e avalie se, às vezes, a mesma coisa feita por um mais simpático tem o mesmo peso se feita por uma pessoa mais fechada e sisuda.

Evidentemente que, ao avaliarmos o erro de uma pessoa, não podemos deixar de ver quem ela é. Há os que merecem uma nova chance, dependendo da falha, e os que não merecem, por uma série de motivos. Porém, é preciso estar atento aos que usam do excesso de simpatia para manipular todos que estão a sua volta.  Por isso, cuidado ao sentenciar alguém porque não é simpático ou para não ser extremamente benevolente com outro porque é gentil.